Flow: um browser leve que desafia o status quo com sua própria engine

O projeto não vai substituir o seu navegador atual favorito, porém, existem casos de uso interessantes

Já parou para pensar quantas engines de navegadores ainda são relevantes atualmente?
Houve uma época onde engines diferentes faziam a diferença.
O mundo dos navegadores mudou drasticamente, assim como a internet/web.
Um navegador não é mais apenas um navegador. Há tempos esse tipo de software se tornou nossa principal ferramenta tendo características de um sistema operacional.
Tanto é que alguns navegadores se tornaram de fato sistemas operacionais.
O extinto e promissor FirefoxOS, da Mozilla, era 100% baseado em tecnologias Web e sua engine era a mesma do Firefox, a engine Gecko.
O ChromeOS, é basicamente o navegador Google Chrome com sua engine e funcionalidades específicas de sistema operacional.

O problema é que atingimos um nível de complexidade absurda com engines de navegadores.
Só o Chromium, base do navegador do Google, possui mais de 25 milhões de linhas de código.
A Microsoft tentou por muitos anos desenvolver sua engine até chegar ao ponto de desistir e passar a usar o Chromium com a engine Blink em 2018, assim como o Opera já tinha feito em 2013.
Em 2021 engines de navegadores basicamente se resumem a um mesmo projeto, o WebKit, ou para ser mais justo, o KHTML.
Isso mesmo, a origem de tudo vem com a engine KHTML, criada pela KDE em 1998 para rodar no navegador Konqueror, lá na época em que tudo era mato.
A Apple fez um fork do KHTML no início dos anos 2000 para poder embarcar em seu navegador Safari e aí que nasceu o projeto WebKit.
Pouco tempo depois, quando Google entrou no mundo dos navegadores com o Chrome, a engine adotada foi o WebKit.
Até que durou, mas os diferentes interesses de Apple e Google bifurcaram a engine, nascendo assim o Blink, mais uma engine de navegador, fork do WebKit.
O resumo é que 90% dos navegadores mais utilizados hoje usam a mesma engine, ou um fork muito semelhante. Da para se dizer que é tudo WebKit.
Quem segue na resistência é a Mozilla com o Firefox, que até criou uma nova linguagem de programação, o Rust, para poder criar sua nova engine, o Servo.
Infelizmente, o Firefox hoje tem pouco menos de 4% de market share.

Desafiando o status quo

Eis que agora nos deparamos com uma empresa que pela primeira vez em um bom tempo está apostando em uma engine nova, criada do zero.
A Ekioh, empresa sediada em Cambridge, no Reino Unido, está desenvolvendo um navegador chamado Flow.
Seu objetivo é fazer com que os aplicativos baseados na web funcionem sem problemas, mesmo em computadores baratos, como o Raspberry Pi.

Stephen Reeder, diretor comercial da Ekioh, comenta:

É uma tarefa enorme, mas se você quiser algo que seja muito pequeno e muito rápido, você normalmente não pode começar com outras engines

Com o navegador Flow, a empresa vê a chance de jogar um jogo totalmente diferente. Em vez de apostar em um grande navegador, a Ekioh está construindo um navegador para usos específicos, onde uma nova engine teria benefícios claros.
O negócio da Ekioh é fornecer aplicativos baseados na web em sistemas embarcados, como TV boxes, monitores inteligentes e painéis de carros. Nesses tipos de dispositivos, a Ekioh acredita que um recurso chamado layout multithread pode melhorar muito o desempenho, especialmente para animações e efeitos.

A Ekioh espera que o Flow comece a aparecer em produtos reais ainda este ano, mas já podemos brincar com ele em um Raspberry Pi.
O Flow ainda não pode ser usado como substituto do Chrome ou Firefox. A versão atual não oferece suporte a abas, favoritos ou extensões e depende da navegação do teclado para funções básicas, como avançar e voltar.

Tem um Raspberry Pi e quer testar?

  1. Baixe o Flow no link: https://support.ekioh.com/download/binaries/ekioh_5.12.2_raspberry-pi-flow_20210226_r34041.zip

  2. Descompacte o arquivo

  3. Rode o comando ./flow

  4. Ou para abrir o Flow já em uma página específica ./flow https://braziljs.org

Referências

Site do Flow: https://www.ekioh.com/flow-browser/
Site da Ekioh: https://www.ekioh.com/
Documentação do Flow: https://support.ekioh.com/download/
Microsoft migrando para Chromium: https://thenextweb.com/microsoft/2018/12/06/microsoft-edge-is-officially-switching-to-chromium-in-2019-heres-why-thats-a-good-thing/
Artigo do Fast Company sobre o Flow: https://www.fastcompany.com/90611677/flow-ekioh-web-browser-new-engine
KHTL: https://en.wikipedia.org/wiki/KHTML